sábado, 21 de abril de 2012

Soneto LXX


Se te censuram, não é teu defeito,
Porque a injúria os mais belos pretende;
Da graça o ornamento é vão, suspeito,
Corvo a sujar o céu que mais esplende.
Enquanto fores bom, a injúria prova
Que tens valor, que o tempo te venera,
Pois o Verme na flor gozo renova,
E em ti irrompe a mais pura primavera.
Da infância os maus tempos pular soubeste,
Vencendo o assalto ou do assalto distante;
Mas não penses achar vantagem neste Fado,
que a inveja alarga, é incessante.
Se a ti nada demanda de suspeita,
És reino a que o coração se sujeita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentario e volte sempre que quiser ! A sua opinião é livre mas não aceito insultos às minhas postagens e fotos, e se eu escrever errado ou pegar informações com direitos autorais aviise de forma respeitável.
Obrigada !

Em cada sorriso...

Postagens populares